26.6.17

a sentença

- Adelaide Ivánova


duas releituras de duas odes de ricardo reis 


I.
pesa o decreto atroz do fim certeiro.
pesa a sentença igual do juiz iníquo.
pesa como bigorna em minhas costas:
um homem foi hoje absolvido.
se a justiça é cega, só o xampu é neutro:
quão pouca diferença na inocência
do homem e das hienas. deixem-me em paz!
antes encham-me de vinho
a taça, qu'inda que bem ruim me deixe
ébria, console-me a alcoólica amnésia
e olvide o que de fato é essa sentença:
a mulher é a culpada.


II.
pese a sentença igual do ignoto juiz
em cada pobre homem, que não há motivo
para tanto. não fiz mal nenhum à mulher e
foi grande meu espanto
quando ela se ofendeu. exagerada, agora
reclama, fez denúncia e drama, mas na hora
nem se mexeu. culpa é dela: encheu à brava
a garbosa cara.
se a justiça é cega, só a topeira é sábia.
celebro abonançado o evidente indulto
pois sou apenas homem, não um monstro! leixai
à mulher o trauma.













Oswaldo Goeldi, Perigos no mar, 1955, xilogravura, 21 x 27,5 cm - Coleção Fundação Biblioteca Nacional

Nenhum comentário:

Postar um comentário