4.1.17

Julho

-   Lucas van Hombeeck


essa nossa cidade drives the people
a gente tem vontade de pegar o 436 grajaú pra ir ver a rosa weber, rosa luxemburgo, rosa
rosa

mas o sistema público de transporte 
não é rima
não tem graça
e nem é solução 
pra esse tipo de vontade

eu agradeço a essa vontade
porque ela, viva,
continua viva
a cidade,

                apesar de

a cidade está tão perigosa
a cidade está tão cara

ela disse
eu tenho medo de sair 
depois de escurecer 
e não saber voltar pra casa

você tem que aprender 
que a vida sempre é
apesar de

aqui da fila do banco pensar no mar é
o momento de luxo prensado entre o edifício e o automóvel
o assalto ao apartamento no alto Leblon
o perigo

aqui
onde o carpete é grama brotada 
azul e crespa 
regada a ar condicionado e insulfilm roxo

dá pra ver que certa estava minha tia avó tereza,
que me ensinou a pegar o ônibus sozinho pra ir pra escola e a pisar no pé das pessoas
que não me deixassem passar quando chegasse o ponto

a violência
vive junto com a cidade, no meio da cidade, por dentro
a cidade somos nós, a violência são os outros

mal sabiam eles
que o paraíso
são os outros

mas
é verão no rio de janeiro
o relógio marca sete horas
e ainda faz sol
a felicidade não é
mas é quase 
como se fosse

e hoje
pelo menos até umas seis
parece que a vida aqui ainda é
e que talvez até mereça
e que talvez ainda por cima 
valha a pena
continuar sendo

mesmo que muitas vezes ela seja

como se fosse


Nenhum comentário:

Postar um comentário